Em crise com dengue, DF registra aumento de 60% na venda de repelentes

Balanço verificou alta nas vendas nos últimos 25 dias, em relação ao mesmo período de 2023. Por enquanto, não há risco de falta do produto

Em crise com dengue, DF registra aumento de 60% na venda de repelentes

Em meio à epidemia de dengue no Distrito Federal, as farmácias da capital do país registraram aumento de cerca de 60% na venda de repelentes. O item protege contra a picada de mosquitos como o Aedes aegypti, transmissor da doença e de outras enfermidades como chikungunya e zika.

Balanço divulgado pelo Sindicato do Comércio Varejista de Produtos Farmacêuticos do Distrito Federal (Sincofarma-DF) identificou o aumento nas vendas do item nos últimos 25 dias, na comparação com o mesmo período do ano passado.

Está com sintomas de dengue? Veja onde procurar atendimento no DF

Para o presidente do sindicato, Erivan Araújo, apesar da alta, não há registro de falta do produto até o momento. “[O aumento nas vendas] ocasionou rupturas [falta] em algumas drogarias. A vantagem é que, como os distribuidores e as próprias empresas se preparam para esse período de verão, que é um momento de sazonalidade [da dengue e contribui] para a venda de repelentes, eles acabam por estocar um pouco”, comentou.

Ainda de segundo Erivan, em geral, os preços têm se mantido na média estabelecida para o produto. “O estoque das drogarias tem sido reposto gradativamente. Porém, é um risco grande que, após esta primeira quinzena [do mês], possamos ter ruptura desse produto nas lojas”, destacou.

Especificações

Os repelentes mais adequados contra o mosquito Aedes aegypti têm com concentrações de icaridina – princípio ativo derivado da pimenta – acima de 20% ou do composto químico DEET (N,N-Dietil-m-toluamida) com concentração entre 30% e 50%.

Além disso, telas nas janelas e repelentes elétricos impedem que os mosquitos entrem em casa. Outra possibilidade é a instalação de mosquiteiros ao redor de camas e berços.

0
Casos na capital federal

Desde o início do ano, o DF registrou 11 mortes provocadas pela dengue; outras 45 estão sob investigação. Além disso, a capital federal registrou 46.298 casos prováveis da doença e descartou outros 1.530, até essa segunda-feira (5/2).

A Secretaria de Saúde (SES-DF) detalhou que, na quinta-feira (8/9), receberá cerca de 194 mil doses da vacina contra a dengue. A imunização está prevista para começar no dia seguinte, com pessoas de 10 a 14 anos como público-alvo.