Denúncias de imagens de abuso sexual infantil na internet crescem 77%

Em 2023, a SaferNet registrou 71.867 novas denúncias desse conteúdo criminoso, maior número desde o início do levantamento

Denúncias de imagens de abuso sexual infantil na internet crescem 77%

No Brasil, a quantidade de denúncias contra imagens de abuso e exploração sexual infantil encontradas e compartilhadas na internet cresceu 77,13% no ano passado, em relação a 2022. Esses casos foram registrados na plataforma da organização não governamental (ONG) SaferNet.

Os dados estão presentes no levantamento anual divulgado pela ONG nesta terça-feira (6/2), Dia da Internet Segura. Todas as denúncias são enviadas para apuração pelo Ministério Público Federal (MPF).

Em 2023, a ONG recebeu 71.867 novas denúncias de imagens de abuso e exploração sexual infantil na internet — estabelecendo um novo recorde na série histórica da Central Nacional de Denúncias de Crimes Cibernéticos, que teve início em 2006. Em 2022, a SaferNet contabilizou 40.572 queixas desse tipo.

Anteriormente, a maior marca histórica era de 2008, quando a SaferNet registrou 56.115 denúncias de imagens de abuso e exploração sexual infantil .

Para o fundador e diretor-presidente da SaferNet, Thiago Tavares, a combinação de três fatores influenciou diretamente no aumento das denúncias de imagens de abuso e exploração sexual infantil:

  • a introdução da inteligência artificial (IA) generativa para a criação desse tipo de conteúdo;
  • a proliferação da venda de packs com imagens de nudez e sexo auto-geradas por adolescentes; e
  • demissões em massa anunciadas pelas big techs, que atingiram as equipes de segurança, integridade e moderação de conteúdo de algumas plataformas.
0

Pedidos de ajuda

Segundo a ONG, o Helpline da SaferNet também registrou aumento em pedidos e ajuda relacionados ao aliciamento sexual infantil on-line — representando um crescimento de 125% no número de casos.

Ranking de assuntos com mais pedidos:

  1. problemas com dados pessoais
  2. exposição de imagens íntimas
  3. golpes
  4.  cyberbullying
  5. questões relacionadas à saúde mental

Ainda de acordo com a SaferNet, a maioria das pessoas procurou a ONG para obter informações sobre como denunciar possíveis casos de aliciamento e imagens impróprias de menores de idade.

A ONG destaca que o perfil principal é de familiares de vítimas. Geralmente, essas pessoas estavam em busca de orientação sobre como pedir a remoção desses conteúdos criminosos, ou apresentaram relatos de compartilhamento dessas imagens em grupos de aplicativos de mensagens.

Recorde de denúncias de crimes em 2023

A soma das denúncias de todos os crimes que ferem os direitos humanos como xenofobia, racismo, LGBTfobia também atingiu pico histórico na plataforma da ONG, mesmo com a queda nos índices de alguns crimes de ódio.

Só no ano passado, foram realizadas 101.313 acusações na Central Nacional da SaferNet. O recorde anterior também era de 2008, que contabilizou 89.247 casos.

Em comparação com 2022, o total de denúncias novas de violações de direitos humanos recebidas pela SaferNet em 2023 cresceu 48,7%.

Outros crimes cibernéticos

Entre 2022 e 2023, as denúncias de casos de xenofobia on-line apresentaram crescimento de 252,25% e de casos de intolerância religiosa na internet subiram 29,97%. Ambos impulsionados pela conflito no Oriente Médio, entre Israel e o grupo extremista Hamas — que fez aumentar os casos de antissemitismo e islamofobia.

Também houve um crescimento nas denúncias de tráfico de pessoas on-line: 11,11%.

Por outro lado, no mesmo período, houve queda em nos seguintes crimes de ódio: racismo (-20,36%), LGBTfobia (-60,57%) e misoginia (-57,56%). Conforme a SaferNet, uma baixa nesses crimes era esperada.

Isso porque queixas de crimes de ódio tendem a aumentar em anos eleitorais. Tal comportamento foi registrado em 2018, 2020 e 2022. A ONG ressalta que, apesar da desaceleração desses casos na Central Nacional, esses indicadores não foram capazes de frear a alta no número de denúncias recebidas.